Gosta de Florais? E o seu cão?

Para quem imaginou que floral era coisa apenas para ser humano, se enganou! Não só o uso dos florais está sendo difundido na medicina alternativa como, também, suas finalidades estão se estendendo aos animais.

Eu nunca usei florais, em mim ou em meus cachorros, mas há quem diga que são ótimos. Para quem gosta de métodos alternativos, fica a dica.

O que são Florais

O floral é um preparado natural feito a partir do potencial energético de flores maduras, plantas ou arbustos, ao qual se adiciona brandy ou álcool natural como conservante. Assim como os remédios homeopáticos, os florais também incorporam a natureza vibracional de seus componentes, parecendo, fisicamente, um líquido bastante diluído, mas é altamente potencializado quando se trata da energia existente em cada flor.

Dizem que essa solução não possui princípios ativos e, por isso, não traria efeitos fisiológicos, biológicos ou orgânicos. Entretanto, seu impacto final não é resultado da interação bioquímica direta no corpo, mas sim de sua atuação nos diversos campos de energia que circundam o ser vivo (chakras), influenciando o bem estar mental, emocional e físico.

Esse produto foi criado entre 1928 e 1936 pelo Dr. Edward Bach, médico homeopata, bacteriologista e imunologista. Seu objetivo era equilibrar as emoções do paciente, diminuindo estresse, depressão, pânico, etc. Para Bach, a personalidade da pessoa é que deveria ser tratada (causa), e não a doença (efeito), resultante do conflito da alma (Eu Superior) com a personalidade (Eu Inferior).

Entre os prós e contras de seu uso, os florais são criticados por não serem reconhecidos pela comunidade médica internacional e por não fazer parte da grade curricular das faculdades. Nenhum estudo científico teria conseguido demonstrar uma eficácia do produto além do um efeito placebo. Em contrapartida, dizem que os florais são usados por pessoas adultas, crianças, animais e plantas os quais, destes quatro grupos, apenas as pessoas adultas teriam consciência do que estão tomando e o motivo pelo qual o fazem. Crianças, Animais e Plantas desconhecem a atuação do floral, ainda assim percebesse uma melhora na saúde deles, colocando a questão do efeito placebo em dúvida.

Bach classificou as 38 essências em 7 grupos de estados emocionais:

  • Essências para os que sentem temor: Rock Rose, Mimulus, Cherry Plum, Aspen, Red Chestnut
  • Incerteza: Cerato, Scleranthus, Gentian, Hornbean, Wild Oat
  • Para os que não sentem suficiente interesse pelo momento presente: Clematis, Honeysuckle, Wild Rose, Olive, White Chesnut, Mustard, Chestnut Bud
  • Para os que sentem solidão: Water violet, Impatiens, Heather
  • Hipersensibilidade a idéias e influências: Agrimony, Centaury, Walnut, Holly
  • Desespero: Larch, Pine, Elm, Sweet chestnut, Star of Bethlehem, Willow, Oak, Crab Apple
  • Preocupação excessiva com os outros: Chicory, Vervain, Vine, Beech, Rock Water
  • Rescue Remedy é o remédio para os estados emergenciais: É composto de 5 essências: Cherry plum, Clematis, Impatiens, Rock rose, Star of Bethlehem.

A Terapia Floral

Terapia Floral é um modelo terapêutico reconhecido e recomendado pela Organização Mundial da Saúde (1976) que, embasado em princípios da Física, admite a existência de campos eletromagnéticos ao redor de nosso corpo, considerando as moléculas bioquímicas que o constituem como uma espécie de energia vibratória, na qual a matéria representa seu estado mais condensado.

Ela parte do princípio de que os padrões anormais de organização e crescimento celular seriam precedidos por perturbações nestes campos energéticos, onde as doenças não seriam causadas apenas por antígenos, substâncias químicas ou traumas físicos, mas também por disfunções no padrão das energias mental e emocional. Os florais agem equilibrando os pensamentos e as emoções e, em conseqüência disso, seus efeitos se tornam visíveis a nível comportamental e físico, muitas vezes curando tais doenças.

Em relação à sua posologia, alguns profissionais recomendam 4 gotas 4 vezes ao dia, podendo aumentar ou diminuir a dosagem conforme necessidade ou indicação profissional. Essas essências podem ser administradas juntamente com remédios homeopáticos, alopáticos e fitoterápicos, desde que não haja contra-indicação específica. O resultado não depende da quantidade de gotas tomadas a cada vez, mas da freqüência de vezes ao longo do dia.

Ainda que não lhe sejam atribuídos efeitos colaterais negativos, dizem que é muito importante fazer o diagnóstico da patologia que aflige o paciente antes de escolher qual ou quais os florais ele necessita. Deve haver um cuidado especial em se chegar a um diagnóstico clínico e psicológico precisos, pois quem utiliza a terapia floral não se exime de sua responsabilidade profissional. Alguns ainda complementam que uma terapia floral mal estabelecida poderia trazer agravantes ao problema tratado, ao invés de ajudá-lo.

Os Florais na Veterinária

Como mencionado anteriormente, os adeptos a terapia floral não só estão aumentando, como também consideram o tratamento eficaz aos seus bichos de estimação.

Aos seguidores da filosofia Cesar Millaniana (ficou bonito hein!), não é nenhuma novidade dizer que os cachorros refletem muito o estado emocional do dono, principalmente porque essa conexão entre eles se estabelece por meio das interações “energéticas” que trocam em matilha. Sendo assim, muitas vezes os animais funcionam como elementos catalisadores, sendo expostos a todo tipo de energia positiva e negativa que seu dono pode lhe proporcionar. Sendo assim, os cães podem precisar tanto de tratamento para seus próprios problemas psicológicos como, também, podem ter que se tratar em parceria com seus donos para refrear problemas não advindos deles mesmos.

Consegue-se administrar florais para todos os tipos de animais, os quais costumam responder muito mais rapidamente ao tratamento que o próprio ser humano. Suas gotas podem ser colocadas diretamente na boca ou misturadas a água. Em alguns tipos de animais elas podem ser aplicadas diretamente na pele, de preferência na região do pescoço.

O diagnóstico é feito da mesma maneira que nos humanos. O ideal, na indicação do floral, é estudar a herança genética, o parto, infância, relacionamento com os donos e avaliação clínica do animal. Entretanto, nem sempre temos acesso a tais informações, o que não nos impede de estabelecer esse diagnóstico apenas observando o comportamento do animal e do proprietário, que pode revelar pistas bastante valiosas.

Há quem diga que os únicos florais a serem comprados são os de Bach, mas outros alegam que os produzidos nacionalmente também são bons. Confesso eu que, se for me utilizar deles, fico com os de Bach mesmo.

PS: Post dedicado à um dos cães de minha matilha: Hana. Foi-me dada a notícia de seu falecimento. Sentirei muito sua falta!

Referências: http://www.saudeanimal.com.br/florais.htm ; http://www.webanimal.com.br/cao/index2.asp?menu=florais.htm ; http://www.webanimal.com.br/cao/index2.asp?menu=florais2.htm ; http://pt.wikipedia.org/wiki/Florais_de_Bach ; http://www.animalflower.com.br/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s