Raças – Rottweiler

Ae genteee!!! O Blog alcançou suas 1000 visitas em menos de 2 meses. Tksss a todos que se interessaram por este trabalho que faço apaixonadamente!!

Agora… voltando ao tema de hoje, posso dizer que essa é outra raça que marcou fortemente minha vontade de ampliar meus conhecimentos no estudo canino. Em 2010 fui impelida a conviver com dois exemplares agressivos e extremamente frustrados de Rottweilers na agência de eventos em que trabalhava. Aliás, não só com os dois, mas também com um Labrador e uma Yorkshire nas mesmíssimas condições, comendo do bom e do melhor, mas com uma vida miserável, trancafiados em salas e ausentes de qualquer vida realmente de cão. Por óbvio, eram cachorros absurdamente agressivos e ansiosos, com diversos desvios de comportamento. Anyway… durante muito tempo ouvi o Cesar falar da energia “calma e assertiva”, mas não a compreendia por completo e, por isso, seus métodos ainda não eram tão eficazes em meus próprios cães.

Em um determinado dia, frente à agressividade de uma das Rotts (eram fêmeas), apliquei a técnica de maneira sutil e discreta, buscando não fazer a dona do cão perceber. E foi assim… na hora certa, no momento certo. Ali eu entendi a energia calma e assertiva… e ela funcionou. Não consigo descrever a sensação… foi maravilhoso! Mas… temos que ter em mente que a ordem é exercícios, disciplina e afeto. Na ausência dos exercícios, a técnica corretiva não surtiria efeito por muito tempo. Aqueles cachorros são estão de energia e frustração acumulados… é complicado! Enfim… eis um post dedicado aos Rottweilers.

Histórico

Constata-se que o Rott é uma das raças mais antigas as quais o homem tem conhecimento. Sua história tem origem no Império Romano, quando as legiões imperiais viajavam pelos Alpes seguidas de seus cães de proteção, que também guardavam prisioneiros de guerra e pastoreavam o gado. É dito, inclusive, que o imperador Nero utilizava vários exemplares da raça em seu castelo para desencorajar a visita de estranhos.

Acredita-se que a raça seja derivada, principalmente, de cães boiadeiros romanos, levados pelas legiões, e molossóides ingleses e holandeses. Alguns cães de raças variadas teriam sido incorporados à medida que as legiões os encontravam durante seus trajetos.

Essas legiões teriam atravessado Württemberg até a pequena cidade de Rottweil, região de importante criação de gado, na qual os descendentes dos boiadeiros romanos teriam demonstrado seu valor como excelentes condutores e protetores de rebanhos. Açougueiros da região também os utilizariam em suas viagens mercadantes durante a Idade Média, amarrando malotes de dinheiro em torno do pescoço dos cães para que os montantes permanecessem protegidos. Daí originou-se o nome da raça… Rottweiler Metzgerhund (cão de açougueiro de Rottweil).

Com a chegada das estradas de ferro, o trem se tornou o principal método para o transporte dos materiais, diminuindo drasticamente a utilização dos Rotts ao ponto de, em 1900, encontrar-se apenas uma fêmea na cidade de Rottweil. O que salvou a raça da extinção foram os preparativos para a I Guerra Mundial, que geraram uma grande demanda por cães policiais e uma oportunidade para o renascimento do interesse por esses exemplares, que viriam a trabalhar lado a lado com Pastores Alemães e Airedale Terriers. Durante a Primeira e a Segunda Guerra, os Rott foram utilizados em diversas funções como mensageiros, ambulância, cães de carga e de guarda.

Os diversos clubes de Rottweilers que foram criados na época da guerra se unificaram e geraram o Allgemeiner Deutscher Rottweiler Klub (ADRK – General German Rottweiler Club) em 1921, que foi oficialmente incorporado no registro de clubes e associações da comarca de Stuttgart em 27 de janeiro de 1924. Hoje é reconhecido mundialmente como o clube casa do Rottweiler. O Kennel Club instituiu a raça em 1935 e, no Brasil, ela chegou em 1970. Em pouco mais de 20 anos, tornou-se uma das mais populares, sendo a “número 1” em nosso país em 1995.

Personalidade e Temperamento

O Rottweiler é uma raça de boa índole, normalmente calmo e muito dedicado, obediente, dócil e ávido por trabalho. Costuma ser auto-confiante, firme e destemido, reagindo com grande agilidade à qualquer situação. Ele é ligeiramente avesso à aproximação de estranhos, preferindo estudá-los e esperar suas reações. Para que esse comportamento não se intensifique e se torne algo mais comprometedor, recomenda-se a socialização do cão desde cedo, tanto com outros cães como com humanos (mas, como sempre, não é nada que não possa ser corrigido mais tarde, caso o cão venha a desenvolver severa agressividade). O Rott tem uma maneira bem característica de marcar seu território, descrevendo círculos em torno da propriedade a ser vigiada e barrando imediatamente qualquer tentativa de invasão. Não é um cão traiçoeiro nem desnecessariamente agressivo e dá sinais bastante claros de sua intenção caso pretenda atacar, oferecendo a oportunidade para o invasor retroceder antes do ataque. Apega-se facilmente ao dono e as crianças, sendo bastante obediente (desde que, por óbvio, sejam supridas as necessidades dele… algo que não ocorria na agência. Ocasionalmente, um dos cães mordia seu dono por lá).

Ele carrega um desejo inerente de proteger a casa e a família. Esse fato, ligado a sua inteligência e a sua forte vontade de trabalhar, o torna um excelente companheiro e guardião. Ainda que seja uma raça poderosa e com instintos de pastoreio e guarda, costuma ter um amadurecimento tardio em relação a outras raças, sendo considerado adulto após os dois anos de idade. No ranking de Stanley Coren (livro “The Intelligence of Dogs”), a raça ocupa o 9º lugar entre os cães mais inteligentes e brilhantes, aprendendo comandos em menos de 5 repetições.

Como toda e qualquer raça, os Rotts podem apresentar um comportamento potencialmente perigoso resultante da posse irresponsável, do abuso, da negligência ou falta de formação por parte dos donos. Treinamentos de obediência e socialização (como dito anteriormente) podem ser muito benéficos, não só por desgastarem a energia do cão em uma atividade de aprendizado, como, também, por ajudar a controlar a força excepcional da raça. Infelizmente, assim como os Pit Bulls, esses cães tem sido alvo de publicidade negativa. Nos EUA, um relatório do CDC colocou o Rottweiler como a segunda raça com maior índice de ataques mortais a humanos, e essa agressividade não parece estar relacionada ao medo do cão, mas sim a vigilância e a instintos territoriais.

Aparência

Quem já viu um Rottweiler sabe que eles são robustamente lindos (principalmente quando não lhes cortam nada!). São de médio para grande porte, formando uma figura compacta, forte e bem proporcionada, exibindo potência, agilidade e resistência. Ele é inteiramente preto com marcações bem delimitadas que variam do ferrugem ao mogno, sendo rica a coloração nas faces, focinho, garganta, peito e pernas, bem como acima dos olhos e sob a raiz da cauda. Seu pelo é rijo, em comprimento médio.

Essa raça é trotadora, de movimentação harmoniosa, segura, com forte tração e poderosa propulsão. Os maços tem de 61 a 68cm na altura da cernelha, e as fêmeas tem de 56 a 63cm. Os pesos ficam em torno de 50 e 42kg respectivamente e vivem, aproximadamente, de 10 a 12 anos.

Se for adquirir filhotes, preste atenção em detalhes com pelos brilhantes, olhos vivos e sem secreção no nariz. Como todo filhote, são brincalhões, mas exigem uma postura forte do dono, já que o Rott precisa ter bem claro quem é o líder da matilha. Segundo o novo padrão da raça, os filhotes não devem ter mais a cauda amputada (uhuuu!!! *rs).

Saúde

Trata-se de uma raça relativamente saudável e livre de doenças. Entretanto, como a maioria das grandes raças de crescimento rápido, a Displasia e a Osteocondrite Dissecante (essa segunda em menor proporção) podem ser um problema. Para quem tem interesse em adquirir exemplares, é bom verificar a procedência do filhote e checar se os pais carregam o certificado negativo para Displasia. No caso da Osteocondrite, que afeta as articulações do ombro, torna-se interessante para os criadores radiografarem os quadris e cotovelos de seus reprodutores, certificando-se de que as crias não venham a desenvolver os mesmos problemas. Por ser dono de uma mordedura poderosa, ossos (preferencialmente de rótula bovina ou fêmur) são uma boa pedida para fortalecer e estimular a musculatura maxilar dos adultos da raça.

Esses lindos cães também são propensos à obesidade, que pode gerar conseqüências como artrite, problemas respiratórios, diabetes, insuficiência cardíaca, problemas reprodutivos, doenças de pele, redução da resistência a doenças e superaquecimento causado pela jaqueta grossa de gordura sob a pele. Exercícios constantes não só são obrigatórios por conta da obesidade como também para manter o cão equilibrado e estável (ouviram, pessoas da agência onde eu trabalhava?? Nada de só fornecer passeiozinhos de meia hora duas vezes por semana, hunf!). O câncer se tornou uma das principais causas de morte prematura em Rottweilers e, por razões desconhecidas, esta raça é mais suscetível que outras a se infectar com parvovirose.

Agora, em se tratando de filhotes, esses tem uma certa tendência à gastroenterite (inflamação do estômago que causa diarréia e vômito). Mantenha a vacinação em dia e a higiene em alta que você não deverá passar por esse tipo de problema. A pelagem curta também é um facilitador, pois não gera grandes trabalhos. Apenas se recomenda escovações regulares para prevenir pulgas e outros parasitas que causam alergias, além de estimular a oleosidade natural e retirar os pelos mortos.

Curiosidades

1) O cão de guarda ideal

Olhando bem para ele, não é difícil de imaginar porque o Rottweiler é considerado um cão de guarda eficiente. Sua imaginação se torna ainda mais real quando você cruza com um deles bravo (falo por experiência própria), já que a raça é considerada uma das que tem a aparência mais intimidante. Entretanto, o ponto chave de seu sucesso está na desconfiança. Ainda que bem socializado, o Rott carrega naturalmente uma ligeira aversão a estranhos, podendo demonstrar-se agressivo se o estranho não for devidamente apresentando. O que significa que não adianta querer tentar ganhar sua confiança para roubar a propriedade.

Ele não costuma latir à toa e é capaz de deixar o bandido se aproximar o suficiente antes de revelar sua presença. Porém, uma vez revelada, ele demonstra claramente suas intenções e, caso não haja mais tempo de recuar, seus ataques são firmes e rápidos. Sua mordida é forte e imobilizadora, fazendo um bom estrago no local. Mesmo sendo um cão pesado, ele carrega uma boa agilidade lateral, pulando de lado e mudando rapidamente de lugar. Essa é uma habilidade muito útil, pois ajuda nas brigas, livrando o cão mais facilmente de qualquer tipo de ataque (mordidas, pauladas, tentativas de imobilização, coices – na época em que era boiadeiro…).

Os criadores dizem que o instinto de proteção da raça em relação ao dono é tão grande que, se ele for ameaçado, a reação do cão será bem mais rápida e eficiente, com um ataque bem mais forte, do que nos casos em que não há ameaça ao dono. Por ter um espírito de liderança muito aguçado, o proprietário realmente precisa assumir sua postura de líder da matilha e deixar claro por meio de um comando firme quem é que manda, pois, garanto-lhe, não será na força que ele conseguirá parar o bichano!

2) Mais que um cão de guarda… um pastor também…

De acordo com o American Kennel Club, os Rotts tem um estilo de aproximação bastante natural e um forte desejo de controlar, além de um recorrente uso de sua capacidade de intimidar.

O Rottweiler tem um equilíbrio bem natural, um latido forte quando necessário e, ao trabalhar com o gado, usa uma carga muito intimidante, apoiando-se no corpo e nos ombros. Ele busca o animal mais dominante do rebanho e o desafia. Ao provar sua soberania sobre o animal, ganha a liderança do rebanho que passa a segui-lo (é a natureza se utilizando do conceito de líder de matilha entre espécies diferentes… impressionante!). Alguns produtores descobriram que os Rotts são especialmente adaptados para mover animais teimosos que simplesmente ignoram outros tipos de cães pastores, como Border Collies, Kelpies, etc. Se necessário, eles se utilizam de seus corpos para forçar psicologicamente os animais teimosos a cumprirem seu comando (ai ai… belíssima maneira de se aprender com os animais!).

Já com as ovelhas há uma mudança natural no uso da força e do vigor. Eles demonstram um estilo de agrupamento mais atraente e agradável, direcionando-as e conduzindo-as facilmente. O mais interessante é que, se o Rott trabalha com um mesmo bando de animais continuamente, tende a desenvolver um vínculo que o permite ser mais carinhoso e delicado enquanto os pastoreia, desde que o bando permaneça obedecendo aos seus comandos (lindoooo!!!!).

Referências: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rottweiler ; http://www.saudeanimal.com.br/artigo85.htm ; http://www.suapesquisa.com/cachorros/rottweiler.htm ; http://en.wikipedia.org/wiki/Rottweiler ; http://www.dogtimes.com.br/rott.htm

5 comentários em “Raças – Rottweiler

  1. Acabou de nascer os meus cachorros, eu tinha 4 um rottweler duas doberman e um pit bull nasceu os filhotes ! quero ver quem vai entrar em casa agora!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s